A ironia do quase acidente

Saí tarde. Tinha ficado com o chefe a discutir trabalho e a ver a 1ª parte do jogo entre aquela Equipa da Federação Portuguesa e uma outra da Bósnia, disputado numa horta.
Eles foram para o balneário, eu arrumei a troucha e fui embora. Desta vez não fiquei preso no elevador.
Troquei uns bitaites com o segurança e desejei-lhe um bom fim-de-semana, enquanto me dirigia para a garagem.

E vocês perguntam: mas o que é que isso tem a ver com o quase acidente ou despiste ou o camano?
E eu respondo: nada. Achei era que ficava bem uma introdução, para não fazer uma entrada a frio, não vão vocês arranjar alguma lesão.

Lá segui eu viagem, vendo a casa da Sofia L. à minha direita, mas não tendo qualquer tipo de feedback quando olhei para cima e buzinei à espera que me acenasse enquanto eu passava. Acho que ainda está magoada por há dias eu ter ido surfar sem ela. Não quis armar confusão e nem lhe disse nada pelo desprezo que me tinha acabado de dar.

Não sei quê mais um bocado e àquela hora ainda consegui apanhar trânsito na Radial. E eu, que já falava com o meu tio Miguel (vou chamar-lhe assim) ao telemóvel, disse: porra, mas esta gente não está toda em casa a ver o Azeiteiro tentar marcar golos? Foi retórica, mas acho que ele balbuciou qualquer coisa enquanto via o jogo.
Enquanto discutíamos o futebol, quer dizer, a última obra de Tolstói - após alguma troca de ideias, eu lembrei-me que o seu romance, Anna Karenina, tinha um novo filme a sair no próximo ano, enquanto ele dizia que não, que para 2012 só havia o Mercenários 2 - vi passar por mim uma carrinha branca de telecomunicações, logo à entrada da CRIL. Tudo normal. Eis que numa fracção de segundo, as escadas de alumínio dessa mesma carrinha, soltaram-se e caíram na estrada, onde eu devia ir a uns bons 90 km's/hora.


Larguei um impropério e preparei-me para o pior. Afinal, ia passar por cima das escadas, não tinha tempo de fugir. O salto não foi mau...não foi grande, mas deu para curtir um bocado. Quando as rodas voltaram ao asfalto, o carro fez uns S's e ameaçou um despiste. Mas como já tive a infeliz experiência de fazer o meu Pai perder (mais) alguns cabelos quando, certo dia, pisei o travão do seu carro após uns S's destes, desta vez não fiz nada, simplesmente segurei o volante et voilá, não fui contra os blocos de cimento.
Pai, se me estás a ouvir, eu também preferia ter espetado este, que é da empresa, e ter poupado o teu. Fica a intenção.

Ainda vi o anormal da carrinha a travar, mas decidiu seguir viagem, sem parar. Não lhe vi a matrícula, mas enviei cumprimentos sinceros à sua mãe. Com a atrapalhação nem cheguei a parar completamente o carro, senti que algo estava diferente, mas segui. Disse ao Miguel que ia ligar para o 112 e que já falávamos novamente.
No 112 foi tudo impecável. Esperei só um minuto e pouco para que me atendessem a chamada. Mas tranquilo, afinal, era dia de jogo e a malta podia estar mais distraída. Avisei-os que uma escada estava solta na CRIL, que era melhor alguém convencê-la a sair de lá.

Chegado ao destino, reparei que as jantes estavam tortas. Falei com a Leaseplan e correu tudo normalmente, vieram buscar o carro e deram-me um de substituição.

Sabem o que foi irónico? A carrinha que tinha perdido as escadas em andamento, era dum técnico que presta serviço para a empresa onde trabalho. Ou seja, foi um dos nossos que lixou um dos nossos.
Só me faltava descobrir que este filho de trinta cães (no caso das escadas se terem soltado por defeito e não por desleixo, as minhas desculpas) foi meu formando na altura em que lhes dava Higiene e Segurança no Trabalho. E se eu lhes dizia tanta vez que as escadas são um perigo!

Tudo está bem quando acaba bem. E assim sempre tive mais uma trampa para escrever aqui.

6 comentários:

  1. Fiquei preocupado quando li este post, as escadas ficaram bem?

    ResponderEliminar
  2. LOLOL. Muito bom.
    Felizmente estás bem POC :)

    ResponderEliminar
  3. Isto devia era ter acontecido antes de escavacares o carro do teu Pai, para ganhares competência!

    Coitado, nunca se recompôs completamente e agora foi morar para a margem sul!

    ResponderEliminar
  4. +2k amanhã,

    As escadas estão abaladas com o sucedido, tanto mais que queriam que eu desse um salto maior.

    Marilyn,

    Estou bem, obrigado. Mas parece-me que já gastei umas 4/5 vidas, não contabilizando um acidente menor como este. Se falecer antes de 2082, peço uma homenagem por tentar manter este site sempre erecto.

    Anónimo,

    O meu pai até podia morar na Margem Sul, mas por acaso continua a combater no local do costume. Não me escavaques o blogue com coisas dessas.

    ResponderEliminar
  5. Não foi o teu pai!

    Foi o carro!

    ResponderEliminar
  6. Pai,

    Será que o facto das pessoas desconfiarem que podes mesmo ser meu Pai, poderá influênciá-las nos seus comentários ofensivos para comigo?
    "Ah coitado...se calhar vou só chamar-lhe branco de merda, não vá o Pai dele ler e ficar triste".
    É que eu quero isto em grande. De cabrão de merda para cima. Ou para baixo.

    Se calhar podias passar a assinar como "Amílcar", só para disfarçar.

    Nah, deixa :)

    ResponderEliminar