Ai as costas!

Pois é. Hoje não vos brindei com nada. Ou melhor, já é tarde para o fazer, mas quero só desculpar-me perante os 3 leitores que me acompanham (entre eles família, amigo e Anónimo), que estive KO até há bocado.

Visto lá de dentro, foi assim
Não é que voltei a espalhar magia nas ondas? E não é que voltei a dar um jeito nas costas (no sítio do costume, aqui do meu lado esquerdo) e esta manhã nem me conseguia virar? Estarei eu condenado a não poder fazer desporto e continuar a engordar que nem uma lontra? São questões às quais a resposta é simples e tem um nome: Variações. As do António e as minhas. 

Daqui a uns anos (uns 80, vá), hei-de começar a sentir o (não) cuidado que tenho com o corpo. Como partir costelas flutuantes em pré-adolescente e só ir ao médico passados 2 anos quando se começa a notar uma diferença visual no peito. Diferença essa que, para as atentas leitoras, devo dizer que pouco se nota. E quando se nota, sente-se uma atracção enorme.

E pronto, há que trabalhar que o chefe quer tudo pronto até ao Natal. E apetece-me dizer: o Natal é quando um homem quiser, e só quero que o meu venha daqui a um mês!!!

4 comentários:

  1. diz-lhe que, por motivos profissionais, não te apetece trabalhar.

    ResponderEliminar
  2. Mas apetece-me trabalhar, só que não para isto! Pronto, também não me apetece assim tanto para o resto, mas sempre mais um bocado!

    Deram a 6ª feira, Super Niceee!

    ResponderEliminar
  3. Bisonte!!! Provavelmente as tuas costas não aguentam os 80 kg e os 80 pigmeus que carinhosamente transportas nessa bolsa que tens na cintura!

    ResponderEliminar
  4. Anónimo,

    Como é que descobriste que tenho 80 kg e meço apenas 124 cm? Quem é que se chibou? De certeza que foi alguma gaja da televisão, sempre mortinhas para chamarem à atenção...

    ResponderEliminar