24/01/2011 - Halong Bay - Hanói (Diário na Ásia - #10)

O despertar foi pelas 7:50, mas ao vermos onde estávamos, nem custou.


O pequeno-almoço excelente, como não poderia deixar de ser. Adoro croissants com marmelada pela manhã. Pressionados pelo Peter, o xerife Sri Lanka do Paradise, dirigimo-nos para o barco de apoio, o qual nos levou a Ti Top, uma das praias mais bonitas em Halong Bay. 


Tinha um bar com música (!), rede de vólei e campo de futebol, tudo na areia. Mas o pior e melhor estava para vir: uma subida de 400 degraus até ao topo da ilha/montanha. É duro, mas vale a pena.




Novamente a vista...que dizer? Agora era panorâmica. E águias ou falcões voavam em volta do cume. Julgo que uma das águias estava a ser treinada para ocupar o lugar da Vitória na Catedral.


Esta turista pediu-me para ter uma fotografia comigo. Não percebi. O Jota que confirme, registou o momento aqui

De volta ao Paradise, ficámos 30 minutos à conversa com Colin, Rochelle e o casal Sam. Os ingleses conhecem bem Portugal, querem voltar (e nós tentaremos um encontro por certo), o os Sam querem ir visitar o golfe algarvio. A conversa teve de terminar abruptamente, tínhamos chegado ao porto, onde nos esperavam os respectivos motoristas para nos levarem de volta a Hanói, no nosso caso, novamente ao Elite.

Os canadianos regressaram connosco, também muito simpáticos. Mas eu já acusava algum cansaço e má disposição, ligeira, mas qualquer coisa se passava. Ainda deu para ver mais loucuras ao volante (fazem-se barbaridades sem descrição, todos buzinam, mas no sentido de avisar "atenção, vou passar") e adormecer todo torto no banco.
Despedimo-nos e fomos ao hotel deixar as coisas. Era hora de almoço.

A pé fomos até ao Hoan Kiem Lake, enorme, a 10 minutos a pé do hotel. Aí continuámos até chegarmos ao Museu de História, o qual vimos por fora (há que gerir o tempo, e em Ho Chi Minh existe um melhor), negociando depois, com um tuk-tuk vietnamita (aqueles em que vamos sentados na frente duma bicicleta modificada), a ida à Hoa Lo Prison e ao Templo da Literatura.

Hoan Kiem Lake
Museu de História
A prisão era verdadeira, com celas, artefactos e documentários do que ali se passou. Os franceses tomaram conta do Vietname e fizeram muitos presos (e mortos, por decapitação). Foi o primeiro momento de grande sofrimento deste País, mais tarde invadido pelos Estados Unidos da América.



Sim, uma guilhotina


Seguimos depois para o Templo da Literatura, guiados pelo tuk-tuk. Delirante. Mas já nem me preocupo com acidentes, não dá. O que me deixa doido são as buzinas. Já estou a perder as estribeiras com estes tipos. 


De tuk-tuk no trânsito e contra o trânsito

O Templo foi um semi-fiasco. Um corredor enorme para, no final, vermos um Buda (este tem outro nome que não me lembro) ao centro com os seus 4 melhores discípulos. Não podiam ter posto isso logo à entrada?!


A pé continuámos numa das avenidas principais, a qual tem 3 ou 4 nomes, consoante se vai andando. As lojas parecem organizadas, ou seja, 30 lojas de desporto seguidas, depois as de tecnologia (aqui não vale a pena comprar nada), depois sapatarias, etc.. E pelo meio vêem-se barbeiros de rua. E quando digo barbeiros também podia falar noutra qualquer profissão que consigam imaginar.

Por esta altura já era hora de ponta, ou no caso desta cidade, hora de pontão. Conduz-se tranquilamento pelos passeios, pois as estradas já estão lotadas. Eu desisti. Já quase nem olho para atravessar a rua. Dou um passo em frente e eles vão-se desviando, às dezenas numa simples travessia até ao outro lado da estrada. Eles que se cuidem, os portugueses estão na área.




Chegámos novamente ao grande lago, comemos qualquer coisa e eu segui para o hotel. Estava muito cansado, com dor de cabeça e muito frio. Cheguei pelas 19h e não mais saí, aproveitando para tomar um banho, iniciar medicação (genérico do Ben-u-ron) e descansar.
O Jota chegou hora e meia depois, com mais umas compras e algo para trincarmos. Ficámos na conversa a pensar qual seria o destino dos últimos dias e fomos dormir.
Sinto-me quente e talvez com febre. Amanhã é outro dia.

19 comentários:

  1. Pensava eu que Ho Chi Min era o nome dado pelos vietnamitas a Hanói, nome desde o tempo dos franceses que pelo menos desde a 1.ª guerra, não sei se antes, dominavam a Indochina

    ResponderEliminar
  2. @Bcool973, Hanói é a capital. Ho Chi Minh é o antigo Saigão, a cidade onde os americanos passavam para o "relaxe".

    ResponderEliminar
  3. Não sei como é que há malta que viaja para esses spots. O que é que comias moço? LOL

    Ásia, nem no mapa lhe toco pá. Não aguentava 15 dias a comer 24/7 no MacEntulho pá, isto a imaginar Tóquio, que é do pouco que me seduz a Ásia, por essas fotos eles nem sabem o que é isso. Muahahaaaaha.

    Mas sem dúvida que tem paisagens do catano, para não dizer caralho que fica mal.

    ResponderEliminar
  4. @Here Comes The Rain, tens que ir lá ver com os teus olhos. Vais adorar pah! Quem faz uma viagem como a tua...isto é para meninos! Consegues comer razoavelmente. Nem tudo é mau. E tens de fechar os olhos. E não pensar muito :)

    Tasco que é tasco leva um vernáculo de quando em vez, por isso não te preocupes.

    ResponderEliminar
  5. A comida na Ásia não mata ninguém. Já cá ando desde 2004 e continuo firme e hirto.

    ResponderEliminar
  6. @Hugo, onde andas? Envia mail aqui para o tasco! :)

    ResponderEliminar
  7. @Bcool973, ignorante é aquele que não tem interesse em aprender. Já muito sabes tu!

    ResponderEliminar
  8. A minha maior dúvida é:

    - Tanto tempo no Vietname, como vias o Benfica caralho?

    ResponderEliminar
  9. @B., Houve jogos que não vimos, davam às 4/5h da manhã na hora destes chineses (tudo o que tem olhos em bico). Depois usava a net quand otinha, SMS's família/amigos que sabiam que tinha a missão de avisar dos golos e resultados ao fim-de-semana...

    Foi duro. Houve um dia que me aguentei até às 4h, tive que dormir, ia acordar às 8h.

    ResponderEliminar
  10. Para meninos, estás a brincar? Eu andei por cidades evoluídas económica/social man, cama e pequeno almoço internacional todos os dias, ou em casa de amigos migras naquelas paragens.

    O pior que enfrentei foi neve e falar com um preto gago com um accent fodidíssimo, lol. (não era o Alan)

    Já tu, tomar banho e não beber água sem querer é uma aventura. Alimentação, nem imagino bem o que passaste. Comunicar? Lol.

    Man, a tua é que foi uma viagem que não é pra todos.

    ResponderEliminar
  11. @Here Comes The Rain, não te admito, a tua é que foi do camano! Estranhei essa cena...de certeza que não era o Alan?!
    Eu andei pouco tempo. Logo aí fico a perder para a tua SUPER viagem (aquela que quis que partilhasses por e-mail mas ignoraste, sacana). E no meio de locais sem grandes condições, também tive em grandes cidades, como Banguecoque, Hanói, Ho Chi Minh...e é tudo :)

    A malta safa-se por lá!

    ResponderEliminar
  12. Estou em Macau mas ja vivi uns tempos em Timor. Com tempo ainda faco um relatorio de uma das muitas viagens que ja fiz por aqui.
    Sabado, siga para as Filipinas passar uns dias :)

    ResponderEliminar
  13. Lindo. Belo post meu caro.

    Quanto ao Gaitán, é preciso termos paciência com com ele. É um jogador com uma cabeça especial e vem de um mês sem jogar, mas compreendo perfeitamente onde quer chegar - sem ele parece que jogamos mais sério e prático.

    Cumprimentos benfiquistas

    ResponderEliminar
  14. @Hugo, que países já conheces aí? Estou roído de inveja :) Indonésia/Timor foi hipótese para o final da viagem. Estando na Ásia a viver, dá para conhecer muitaaa coisa, os preços das viagens não são maus.

    @Berrante De Encarnado, obrigado! Na minha opinião, existem dias do Diário mais fascinantes.
    Quanto ao Nico, tem razão. E até sei isso. Há que gerir com pinças. Mas devia ser chamado à atenção. E sim, acho que acabamos por ser mais fortes (ou mais consistentes) sem ele. Saudações :)

    ResponderEliminar
  15. Ainda é uma lista bastante grande. Indonésia, Timor, Austrália, China, Filipinas(meu destino preferido),Laos,Vietname,Camboja,
    Tailândia, Malásia,Singapura etc...
    É um continente fascinante em que fazes uma grande vida gastando pouco

    ResponderEliminar
  16. Hugo, ouvi dizer que nas Filipinas se come pintos caramelizados. Shiiiiiiiiiiiiit.

    As minhas preocupações são sempre as alimentares, lol.

    Man, POC, na altura não havia maquinas digitais a pontapé como hoje se encontra, mesmo assim tenho umas 800 fotos em double, que lá era comum ires revelar as fotos e darem cada pic a dobrar. Nunca digitalizei nenhuma, mas posso sempre enviar-te uma foto comigo e o WTC ainda de pé ;-D

    Que queres que partilhe contigo no mail? Discos, bares e concertos? Ou o Metropolitan Museum of Art? Quando lá fui era van Gogh a exposição principal. Não fiz nenhum diário, mestre, e não tenho jeito nenhum para escrever. Mas se por algum motivo nos encontramos poderei trocar experiências contigo de bom grado.

    ResponderEliminar
  17. Espera, bares estou a mentir, bares no sentido que nós conhecemos fui a 2, no máximo. E se calhar estou a exagerar. Não me lembro de beber na rua...vou averiguar com o colega da viagem.

    ResponderEliminar
  18. @Hugo, a inveja é coisa feia, mas todo eu sou inveja de ti. Incrível...tantos Países. Mais uns tempos e já não tens o que descobrir por aí :) Se quiseres partilhar experiências, usa o mail do tasco. Filipinas...porquê? Não conheço, explica lá porque razão é o teu preferido.

    @Here Comes The Rain, bom, de ti já sabes que também tenho inveja. Ponho-me aqui a tentar relatar uma brincadeira e aparecem vocês com as vossas viagens que fazem da minha uma ida à Trafaria. Sim, atira aí uma foto marcante!

    ResponderEliminar