26/01/2011 - Ho Chi Minh (Diário na Ásia - #12)

Acordei bastante mal do estômago. Melhor da cabeça e do corpo, mas pior do estômago.
O Jota pensou ficar comigo no hotel, mas convenci-o a não perder Cu Chi. Além disso usei um melhor argumento, o facto do Alberto ficar a fazer-me companhia. O Alberto é o nosso amigo imaginário.
E lá foi o Jota ver os túneis da guerra, que os vietnamitas utilizaram para se abrigarem e surpreenderem os americanos. Mais de 200 km's deles.

A manhã foi muito dura, idas à casa-de-banho com frequência, inclusivamente vomitando a única coisa que consegui ingerir, um quarto duma sandes de queijo.
A mãe ligou, tive de mentir para eles não ficarem preocupados.
De tarde a temperatura baixou para os 37.4 e parece que melhorei um pouco.

O Jota chegou, e com ele fotografias fantásticas dos túneis. E esteve a disparar uma arma, coisa que também gostava de ter experimentado. 







Tem-me ajudado o sacana. É um bom amigo.

Estou triste e abatido. Tenho vontade de regressar a casa. Sinto saudades de tudo e todos. Sinto saudades tuas, e nem uma mensagem tive. 
Agora sinto que um mês é demais. É o que dá ficar sozinho no outro lado do mundo sem nada para fazer, depois de passar os últimos dias nas lonas, escondendo-o.

Estou de cama. São 17:30 aqui e vou parar de escrever.
Já não sei que fazer, principalmente não sei o que pensar. Estou a questionar tudo, desde a viagem, até à minha vida toda. Também era um dos objectivos da viagem, mas assim...
Tenho que arranjar forças.

(...)

OK, tomei um banho à hora do jantar e saímos para eu arejar e tentar comer qualquer coisa.
Fomos percorrendo a pé a zona do centro, acabando num restaurante mediterrânico, no fundo aquele que achei que poderia oferecer-me uma refeição mais condizente com o que o meu moribundo estômago necessita. Peito de frango grelhado, comi 3 ou 4 garfadas e tive que encostar à boxe.

Regressámos novamente a pé para o hotel, fazendo um trajecto mais longo para passearmos um pouco. 
Para além das lojas de marca (existem cá todas), ressalta à vista um ponto deveras interessante. Por cada quarteirão que se passa, existem algumas 5 casas da especialidade. E numa volta de 2 horas, somos abordados umas 20 ou 30 vezes por mulheres a oferecerem massagens e homens a dizerem "one beer, one girl". Chega a ser cansativo, tal e qual as outras pêgas. Falo das buzinas.

E chegou ao fim o dia mais difícil que tive até hoje. Espero que amanhã acorde melhor e com mais boas notícias do Benfica. Daqui a bocado está a valer a passagem às meias-finais da Taça.

Ah, e já contei a verdade à família sobre o meu estado de saúde.
Até amanhã.

O aspecto de ontem, o qual tentei esconder

14 comentários:

  1. Ah miserável, que pouca sorte!
    Entras-te numa de introspeção, isso é sempre lixado. "Estou doento, sinto-me lixo, não tenho ninguém aqui, ninguém gosta de mim..." meu deus ;)

    ResponderEliminar
  2. @Ca, é parecido com isso, sim. Todos temos momentos. Este foi claramente um mau.

    ResponderEliminar
  3. e o sub-título poderia ser "O fraquejo de POC" ;)

    ResponderEliminar
  4. @Miss Cheque-Mate, podia mesmo. Mas faz segredo!

    ResponderEliminar
  5. Eu cá fico caladinha, não te tiro pedestal ;)

    ResponderEliminar
  6. Os vietnamitas eram uns gajos manhosos pá. Uma vez no Vietcong caí numa armadilha dessas.

    ResponderEliminar
  7. Ainda bem que já contaste à família, eles têm todo o direito de saber.

    E eu é que não me metia nesse buraco!!

    ResponderEliminar
  8. E depois de uma profunda reflexão, veio alguma conclusão ? Realmente gostava de imaginar esses pequenos túneis que eles quais toupeiras diligentes escavaram ...

    ResponderEliminar
  9. Realmente estás com um ar enjoado... E o teu amigo com um ar de "vitorioso", será que ele teve alguma coisa a ver com a tua má disposição? :)

    Os buracos são sem dúvida assustadores, eu não me enfiava lá dentro.

    ResponderEliminar
  10. móce, tanta coisa com os buracos ... Costuma-se dizer que os apertadinhos é que são bons (bem bons) ... Será que nunca andaram de metro ? Metro a sério, não é essa parvoíce de comboio eléctrico que agora se lembraram de chamar metro de superfície

    ResponderEliminar
  11. @Dexter, já lá tiveste? Adoeceste?! Onde, porquê? Abraço de camaradagem!

    @S*, qual buraco? O da guerra ou no Oriente? :) Os dois valem a pena!

    @Bcool973, claro! Que quero viajar mais!
    Quanto ao metro de superfície, chama-se comboio. O resto é para enganar.

    @Cláudia, não e não. Andámos sempre na palhaçada, mesmo quando eu estava às portas...

    @Anónimo, sou o que tem melhor aspecto mas tem pior aspecto.

    ResponderEliminar
  12. POC, mas tu acreditas no Dexter?
    Ele refere-se a quanto esteve a sonhar que entrou no Full Metal Jacket.

    ResponderEliminar
  13. @Rosa Cueca, eu tenho de acreditar no Dexter. Existe um código deontológico. Não cheguei foi a ler o asterisco com as letras miúdas...ah...

    ResponderEliminar