"Faça só aí uma rúbrica"

Vamos lá começar por colocar os pontos nos i's. Ou, neste caso, retirar a acentuação da rubrica.
Então é assim: não existe rúbrica. Só existe rubrica. É uma palavra de acentuação grave, logo lê-se rubríca e não rúbrica.
É que as palavras graves, ou palavras paroxítonas (sim, paroxítonas - existem Fundações que recebem dinheiro para dar cultura, o Simão Escuta recebe insultos), terminadas em "A" não são acentuadas, uma vez que o acento tónico  recai na penúltima sílaba.

Resumindo: seja uma assinatura em formato reduzido, ou um artigo dum jornal ou televisão, estamos sempre na presença duma rubrica.

Portanto se alguém vos disser "ah, está um lindo dia, preciso só que me faça aqui uma rÚbrica", vocês poderão responder "olhe, estou cansado disto tudo e de ter de assinar duma forma que toda a gente sabe mas eu não. Por isso adeus".

E isto leva-nos para outra questão: fazer uma rubrica em vez duma assinatura normal. Teremos todos que ter uma rubrica?
Quando era miúdo, bem tentei ter uma. Pegava na caneta e fazia uns riscos marados. Às vezes, quando o Benfica não ganha, ainda pego num papel e volto a tentar, mas depois ele fica ensopado e tenho de parar.

Vejam a do centro, uma verdadeira rubrica!!! É de homem!

Será que ter uma rubrica (de assinatura) transforma essa pessoa num ser superior?
Será que já não vou a tempo de criar a minha?
Será que Messi amanhã vai escangalhar a defesa do Benfica?

Estes são, para mim, um, alguns dos grandes mistérios da humanidade.

12 comentários:

  1. Gosto mais do POC. Esforços para tornar uma rubrica demasiado imperceptível indicia, das duas uma: ou paneleirice ou mania a mais :P

    ResponderEliminar
  2. @Elsa, sou obrigado a concordar, apesar de conhecer casos em que isso não acontece. Paga o justo pelo pecador!

    ResponderEliminar
  3. O Messi amanhã vai levar pau que é para ver como elas doem.

    PS- Já tens cartaz para protestar contra a corrupção?

    ResponderEliminar
  4. Eu tenho rubrica,aliás gatafunho...à Drª....;)

    ResponderEliminar
  5. Um post muito pertinente que deveria ser lido por muita gente. Também gostava de definir uma mas não me sai, por isso concluo que quem não tem rubrica é que é um ser superior...

    ResponderEliminar
  6. "Vejam a do centro, uma verdadeira rubrica!!! É de homem!"

    Quem é que a fez?

    Abraço.

    ResponderEliminar
  7. Claro que transforma num ser superior!!!!!!
    Eu aprendi a fazer a minha com 12 anos e acho muito util.
    -serve para assinar em espaços pequenos
    -para mostrar a minha superioridade a alguem, a dizer eu não vou perder o meu tempo em escrever o nome todo porque sou mto ocupada por isso faço só uns rabiscos.(e depois de assinar dizem-me sempre ; éra para ser igual á do BI e tenho que fazer as duas)
    -para me lembrar constantemente que sou uma falhada pois não concretizei o meu sonho de jovem de ganhar um Oscar , que representa o expoente maximo da utilização da rubrica.

    ResponderEliminar
  8. só para dizer que a do Jorge Jesus foi feita por um menino de 5 anos

    ResponderEliminar
  9. Gostava tanto de ter uma rubrica...
    nunca consegui...
    nunca vou ser uma Dra....
    nunca serei importante...

    ResponderEliminar
  10. Só para avisar que já tenho uma rubrica nova.
    .
    .
    .
    Afinal não, são só 3 letras juntas.

    ResponderEliminar