Deputados com 2.4 g/l (álcool)? Sim, têm imunidade

Glória Araújo, deputada do PS, foi detida numa operação stop na última sexta-feira, em Lisboa. Bom, detida que é como quem diz "venha lá connosco à esquadra tratar da papelada e vá-se lá embora, um abraço".
Depois acontece o habitual: uma multa e impossibilidade de conduzir durante X tempo.

Parece que a senhora deputada foi para os copos com os amigos. E fez ela bem, faz parte. Mas com 2.4 gramas de álcool por litro, deve ter sido uma noite do camano, provavelmente a começar num bar, depois discoteca e depois uma casa de strip. Só pode. 

Segundo o Diário de Notícias, foi, felizmente, pedido o levantamento da imunidade parlamentar. Agora o DIAP (Departamento de Investigação e Acção Penal) vai avaliar se o pedido pode ser aceite.

Não sei se isto faz ou não sentido. Diria que ser deputado não deveria, em teoria, trazer imunidades deste tipo...

Neste momento, o que mais me choca nem é os deputados terem imunidade para isto e muito mais (altamente condenável). O que mais me choca é pensar em amigos e desconhecidos que são capazes  - que têm coragem, descaramento e lata - para beberem desta forma e irem pegar no carro de seguida. O pretexto é sempre "mas eu estou bem, já fiz isto e nunca aconteceu nada". Fodasse, que anormais... Colocam em risco a sua vida e dos outros condutores e ocupantes. E indirectamente podem dar cabo da família e amigos. Se quem faz isso não se respeita a si próprio, que ao menos respeite os outros.

É possível que perca mais uns leitores. É a vidinha.

19 comentários:

  1. Imunidade... isto já nem dá para rir.

    ResponderEliminar
  2. -Drª,branco ou tinto?
    -Chaioooooooo!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderEliminar
  3. Quantas pessoas bebem até cair para o lado porque sabem que nunca vão ser multados...

    homem sem blogue
    homemsemblogue.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  4. Completamente se querem morrer e por a sua vida em risco, que o façam sozinhos e não peguem nos carros coisa que pode prejudicar pessoas inocentes!

    ResponderEliminar
  5. @nAnonima, é a dicotomia do rir/chorar.

    @red wings, chaioooo, como diria o Jesus. Bem pensado.

    @homem sem blogue, aqui no tasco, deixo de lhes servir bebidas.

    @margas, :)

    ResponderEliminar
  6. Ainda há 1 semana atrás morreu um miudo da idade dos meus primos - 18 anos - estudante de medicina, rapaz pacato - atropelado por uma condutora que estava tão bebeda ou tão pouco, que depois de o atropelar, não parou e adormeceu em cima do volante uns km´s à frente.
    é horroroso :((
    beber é legitimo, há quem goste, há quem não goste.
    a porra da responsabilidade é que deve estar sempre presente!
    e caramba.. a pequena fez 37 anos.
    já tem idade para ter juízo!
    Leonor :) (sim, a tua! eu mesma! eu leio esta merda - para que saibas!! e vou já votar em ti!!)

    ResponderEliminar
  7. @Anónima "Leonor", não me atires areia para os olhos. Não me faças sofrer.

    ResponderEliminar
  8. Eu cá, acho que a notícia tem uma gralha. Com essa taxa, o que estão a pedir é que declaram a moça incapaz. Não imune.

    ResponderEliminar
  9. será que antes de se meter ao volante ela pensou "'tou podre de bêbeda, mas caga nisso porque se me apanharem ainda me safo?"... ainda para mais a gaja é da comissão de ética do parlamento!...
    vá lá que agora o ministério público já está a fazer andar com um pedido de levantamento, quer tenha sido ela a pedir ou não.
    a pior questão para mim aqui é que em determinados casos a imunidade nem deveria ser chamada ao barulho, independentemente de estarem em causa menos de 3 anos de pena. imunidade só para o que a imunidade deve servir, o resto é roçar a desresponsabilização e impunidade.

    ResponderEliminar
  10. @Limited Edition, em cheio, utilizar imunidade aqui é rimar com impunidade.

    ResponderEliminar
  11. POC, tens que ler melhor as notícias, o que foi pedido foi o levantamento da imunidade parlamentar. A imunidade parlamentar não se pede, tem-se ao ser eleito, o que o DIAP quer é que o parlamento lhe levante a imunidade parlamentar para ela poder ser julgada.

    Eu até a percebo, se ela tivesse que ir a pé, de bicicleta ou de mota para casa ainda podiar cair, agora com os copos, sentou-se no carro e de certeza que ao volante não caía, pois tinha sempre onde se agarrar, nem que fosse à manete das mudanças :D

    ResponderEliminar
  12. @B Cool, se é para vires aqui denegrir a minha imagem, censuro os teus comentários. Ora onde é que se apaga...

    Obrigado.
    De qualquer forma é estúpido que tenha automaticamente imunidade. Acho bem que se peça para ser "anulada" neste caso. E aproveitei apenas a notícia para falar de quem conduz com os copos...

    ResponderEliminar
  13. A figura da imunidade parlamentar foi criada para que eles se pudessem insultar à vontade sem que algum xoninhas se sentisse muito ofendido e decidisse levantar um processo judicial por ofensas. O problema é que lambões como são, aproveitaram isso para estender a tudo o resto e estão acima da lei a menos que a comissão de ética, à qual sr. engenheira mecânica acho que pertence, decida levantar essa mesma impunidade

    ResponderEliminar
  14. Hoje vi esta notícia À hora de almoço e era para ter falado nisto no blog. Vergonhoso. Justifica-se imunidade parlamentar nestes casos? Esta diferença de tratamento entre um deputado e um cidadão comum? E se tivesse morto alguém na estrada de que é que serviria a imunidade parlamentar? Por isso é que os Portugueses depois se demarcam da classe política...

    ResponderEliminar
  15. Se perderes leitores por isto, é porque nao valiam a pena.
    E espero bem que o DIAP nao entenda "imunizar" a senhora.

    ResponderEliminar
  16. ...Só me questiono é como é que ela se aguentava de pé, fonix ganda mulher!!!
    A gaja deve ser do Ribatejo, pegar touros e beber vinho tinto ao pequeno almoço só pode.

    ResponderEliminar