Acerca da tal lei da adopção por parte de casais homossexuais

Não devia ser primeiro a criança a adoptar o casal homossexual?


Mais a sério,
Tirando as bichonas, sobre as quais já tive oportunidade de falar, respeito os restantes. Se tiverem condições de dar uma vida melhor a alguém, muito bem. Mas não nego que tenho dúvidas sobre como será a formação duma criança num "berço" homossexual. Ou melhor, acho que depende dos pais enquanto pessoas bem formadas. E aí, com toda a certeza, não é por se ser ou não homossexual que se é mais ou menos bem formado.
Estou a imaginar um miúdo rapaz...o pai e o pai terão que ir com ele para os copos, levá-lo às prostitutas, cuspir para o chão e etc., para o miúdo perceber que, pelo menos na teoria, ele é um macho lusitano.

E vocês, concordam com a adopção?

22 comentários:

  1. O que foi aprovado, ainda não foi bem a adopção por casais homossexuais. Foi um pequeno passo, mas foi apenas a adopção dos filhos do outro membro do casal. Ou seja, pressupõe que a criança seja já filha de um dos membros do casal homossexual. Concordo perfeitamente. Mais, até acho que deveria ser aprovada a adopção por casais homossexuais sem mais. Não é igual para mim, na formação de uma personalidade, mas é milhões de vezes melhor que viver os melhores dias numa instituição. Melhor que nenhum é ter dois pais ou duas mães!

    ResponderEliminar
  2. @Mariposa Colorida, bem dito. E as melhoras.

    ResponderEliminar
  3. Vou ser curto e grosso: (ó diabo isto num post sobre gays é capaz de soar mal)

    Os deputados estão tão preocupados com os direitos da criança como eu estou neste momento preocupado com os direitos da sandocha de presunto que vou papar daqui a pouco. Eles querem é os votos da 'bicheza'.

    Quanto 'à coisa' em si, há duas leituras possíveis:

    A primeira tem a ver com o lobbie gay que tem mais capacidade económica que os demais, logo vão poder 'comprar' crianças à frente dos casais 'hetero' e assim sendo lá se vai o argumento do "ah é melhor que estar numa instituição"

    A segunda: Tenho amigos gays que seriam melhores pais que muito filho da puta que 'fodeu' a vaca que pariu a criança e que depois as maltratam.

    Por tudo isso a minha resposta é sempre: depende das pessoas envolvidas, se acreditasse na Justiça tuga não teria nenhum pejo em apoiar esta (e a próxima) lei.

    Olha acabei por ser grosso mas não fui curto (ó valha-me Deus)!!!

    Abraço

    ResponderEliminar
  4. @Carlos Alberto, resumindo, acho que estamos de acordo, depende da pessoa, não da sua preferência sexual. Abraço encarnado.

    ResponderEliminar
  5. Carinho, educação, civismo, e honestidade, não têm orientação sexual.

    ResponderEliminar
  6. Concordo plenamente e sem qualquer tipo de reticências. Para mim,o importante é o amor. Quantos casos conhecemos de crianças que são mal amadas por pai e mãe? Eu conheço vários casos,infelizmente.Acho que um casal gay tem tanta capacidade de amar e educar como outro casal qualquer. E não acho que por serem do mesmo sexo,a criança em questão terá necessariamente de lhe seguir as pisadas. Será com toda a certeza um ser humano bem mais tolerante e com menos preconceito.

    ResponderEliminar
  7. Concordo com a co-adoção e com a adoção. Já escrevi sobre isso no meu blogzinho coiso.
    As pessoas tem de perceber que os homossexuais são pessoas normais.
    Os bichas de que falas, são só pessoas estupidas, tal como existem heterossexuais estúpidos que nem uma porta e pessoas estupidas que nem uma porta, são os bichas dos heterossexuais. No final são todos homens e mulheres comuns.

    ResponderEliminar
  8. Concordo. E não percebo muito bem o argumento dos que se opõem dizendo que as crianças 'devem ter um pai e uma mãe'. Que é que isso significa?

    Interessa sim que a criança seja amada, acarinhada. O resto é conversa de treta.

    R.

    ResponderEliminar
  9. @trollofthenorth, check.

    @Mamã de Peep-Toe, é pena, se fosse alguém a dizer o contrário, podia levar à discussão. Mas estamos todos de acordo... ;)

    ResponderEliminar
  10. Eu não concordo com esta medida. Pessoalmente não aceito isto. Penso que nenhuma criança se sentiria bem nesta situação. Para além de que a homossexualidade não é natural(diria até que é uma doença) é essencial ter uma mãe e um pai. Faz parte ser eduacado por uma mãe e por um pai. Digam-me lá como é que um homem vai fazer de mãe? Por mais abichanado (afemeninado) que seja não conseguira nunca assumir este papel. E uma mulher a mesma coisa. Imaginam uma mulher a fazer de pai? Nojento...
    E deixo esta pergunta para aqueles que apoiam estas medidas: como é que seria se fossem voces as crianças adotadas? Como acham voces que seriam se tivessem sido educados por gays? Acham que ia ser a mesma coisa?

    ResponderEliminar
  11. Não concordo mininamente com estas leis.
    É claro que um homossexual é um ser humano como outro qualquer, com defeitos e virtudes. (mariconços à parte, claro!)
    Contudo, uma criança tem que ter referências... Ora tendo dois pais ou duas mães, apercebe-se e apreende apenas uma referência!
    Por exemplo: Uma criança vê o pai a beijar a mãe, vê uma carícia da mãe, toma banho com ambos e vai-se apercebendo das diferenças e da complementaridade que cada um é em relação ao outro!
    Com pais do mesmo sexo, vai ser uma confusão total na formação mental da criança.
    E digo-vos que daqui por vinte, trinta anos, muitos dos adoptados vão revoltar-se e muito homicidio vai acontecer...
    Esperemos para ver!
    Está tudo muito preocupado os direitos dos homossexuais, mas ninguém analiza a fundo os direitos das crianças!
    Que mundo virado ao contrário nós estamos a construir!

    P.S. Claro que há muitos pais heterossexuais que maltratam. Mas também ninguém nos garante que todos os homossexuais vão tratar bem os filhos que adoptarem!
    Por outro lado, os filhos de um viúvo(a) que volta a casar, não passam a ser filhos do novo(a) cônjugue! Porque carga d'água eles hão-de ter mais direitos que a maioria?

    ResponderEliminar
  12. Alejandro, o mundo é muito mais que o nosso próprio umbigo e imagem.

    ResponderEliminar
  13. Parece que andámos a combinar posts! Sinceramente nem tenho bem opinião formada, acho que se deveria pensar mais nos interesses das crianças e menos nos direitos dos gays. Parece-me ser mais do interesse das crianças ter um pai e uma mãe. Isto falando-se de adultos idóneos e moralmente sãos.

    ResponderEliminar
  14. Alejandro, É pai? Uma criança precisa de carinho,atenção,educação,orientação,mas essencialmente necessita de se sentir amada. Quantos casos há,de crianças de pai(macho)e mãe(fêmea),que maltratam e não querem saber para nada dos filhos? Como irão crescer essas crianças? E nojento,é um pai ou uma mãe(que tbm as há)abusarem sexualmente de um filho,não a adopção por homossexuais.
    Melhor que estarem em instituições,é que sejam adoptadas por alguém que os ame.
    Engraçado,tenho um grande amigo que foi criado por um casal gay. Para além de ser um ser humano maravilhoso,é um excelente pai. Enfim...há coisas neste pequeno País,que nunca vou entender...como por exemplo a homossexualidade ser uma doença.....pronto POC,já há discussão....

    ResponderEliminar
  15. As instituições estão cheias de crianças muito mal tratadas por casais heterossexuais quando, tudo o que merecem é alguém que as ame e as cuide, seja de que sexo for.

    ResponderEliminar
  16. Só digo que daqui uns anos vamo-nos rir disto, desta polémica. Quero lá saber se os pais dos colegas da minha filha são um+uma, u+um ou uma+uma. Se os pais (sejam lá quem forem) os tratam mal, sim, a isso estou atenta.

    ResponderEliminar
  17. Afinal este blogue está vivo!

    A esta hora não consigo responder a todos, mas quero dar as boas-vindas ao R, que julgo ter chegado até nós há pouco tempo. Um abraço e tira uma mini do frio.

    ResponderEliminar
  18. Bom dia, POC. Aqui sou de facto comentador recente, embora já te leia há algum tempo.

    Já tenho aqui as minis e uns belos troços de presunto. Vamo-nos a eles.

    Um abraço

    R.

    ResponderEliminar
  19. E porque não se preocuparem em agilizar os procedimentos para a adopção ? Os paneleiros nunca irão adoptar crianças, só os gays deste país, pois esta é mais uma lei para os bautés deste país. Qualquer pessoa normal que queira adoptar uma criança passa por um processo diabólico e vêm com merdas de pôr as crianças a serem adoptadas por homossexuais ?
    E depois quando os putos forem massacrados na escola ? Ou também já vivemos na ditadura do politicamente correcto que não se pode gozar com maricagem ?
    É mesmo típico dos tugas, preocuparem-se com os fórmulas 1 quando ainda mal tiraram a carta ou ainda só passaram no código.

    ResponderEliminar
  20. Boa noite, B cool,
    acerca dos miudos serem massacrados na escola tenho uma sugestão para isso: que tal os pais ensinarem os miudos desde pequenos que não tem nada de errado ter pais do mesmo sexo desde que os eduquem como deve de ser e os amem? porque preconceitos desses não nascem com a pesssoa, são influenciados pelo meio em que vivem e pelos exemplos que têm.

    ResponderEliminar
  21. vamos viver na utopialand, um cogumelo tralala, dois cogumelos tralala ...

    A questão essencial e que deveria preocupar os deputados, que não os que apenas se limitam a estar ao serviço do lobby gay, é a tornar os processos de adopção mais céleres e menos difíceis para quem, hoje em dia, quer adoptar.

    Mas não, outros interesses se levantam ...

    Alguma vez neste país se quer combater burocracias e diminuir a complexidade dos processos ? Ainda acabavam uns quantos tachos para tanto advogado e solicitador ...

    ResponderEliminar