O ar é de todos. Mas a praia também.

Há dias dei por mim a pensar nas beatas que, recorrentemente, se encontram nas praias. E lembrei-me desta bonita história, que serve para perder mais uns leitores.

Aqui há uns anos, estava com uns amigos no Guincho, a aproveitar um dia de Verão. Estávamos numa praia ao lado da Cresmina, que nem sei o nome (ali por baixo do João Padeiro, acho).
A horas tantas, estava na altura do recolher obrigatório, e portanto dirigi-me para a saída. Nisto, um tipo que estava sozinho, acaba de fumar o seu cigarro e atira-o, com a ponta dos dedos (naquele movimento muito típico) para a areia, estendendo-se de seguida a apanhar sol. Teve azar.
Aquele que um dia mais tarde viria a ser coroado de Autor, pegou num lenço de papel, apanhou esse mesmo cigarro, virou-se para o imbecil e disse “Deixou cair isto”, atirando, exactamente da mesma forma, o cigarro para cima da toalha desse mesmo imbecil.

Nem uma palavra foi dita. Talvez porque o futuro Autor, apesar de anão, tinha um corpo invejável. Ou porque éramos quatro e ele só um. Não importa.


Com isto, quero aqui anunciar, que a praia é de todos. E que se virem algum monte de esterco a atirar lixo na praia (já basta nos outros sítios), façam o favor de devolverem, com juros, na toalha do filho de trinta cães. Se sobreviverem para contar a história, enviem-na para publicação no tasco.

12 comentários:

  1. No fundo, és um pequeno escuteiro. Sem berloques.

    ResponderEliminar
  2. Confesso que já atirei uma beata para a areia. Mas a Dona Alzira é que insistiu em ir ter connosco à praia depois da missa para poder jogar uma peladinha ao fim da tarde...

    ResponderEliminar
  3. Autor, és o maior. Idiotas poluidores merecem 100h de serviço comunitário.

    ResponderEliminar
  4. Eu acho que é porque o autor tem um corpo invejável...

    ResponderEliminar
  5. Eu acho que o autor tem só a mania...

    ResponderEliminar
  6. já fiz o mesmo a uma marmanja que decidiu limpar a carteira na estação de combóio.Abria os papelinhos e atirava-os alegremente para o chão. Fui por trás dela, recolhi tudo e disse-lhe exatamente o mesmo: "Deixou cair isto".
    Ela refunfunhou, mas voltou a guardá-los (no bolso)

    ResponderEliminar
  7. Há uns anos atrás, estava a dar um mergulho no mar, quando venho ao de cima para respirar , no momento em que subo e abro a boca, um penso higienico que estava a boiar(com abas, tamanho médio, fluxo normal), passa rasteirinho na minha boca.

    Fiquei muito contente por não ter comido aquela m#&$# pois já tinha tomado o pequeno almoço.

    Tive que sair da agua a correr completamente enojada.
    Gente que deixa fraldas sujas, beatas, latas, pensos higienico ,dejectos dos seu cães etc no chão, devia ser espancada(na melhor das hipoteses). Não percebem que ambiente limpo é sinonimo de qualidade de vida.

    ResponderEliminar
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  9. Já fiz isso, uma vez, no trânsito. Uma menina dos seus 20 anos (boa, por sinal) ia a tomar o seu pequeno almoço (que incluía um iogurte líquido) e quando acaba, zás, janela fora. Saí do carro e fui-lhe dar a embalagem, com ar de gentleman e disse-lhe que tinha deixado cair aquilo. A bisca disse que tinha sido de propósito (com cara de parva) e suponho que tenha deitado fora outra vez no próximo semáforo. Mas soube bem.

    ResponderEliminar
  10. Eu só retive "o futuro Autor, apesar de anão, tinha um corpo invejável". Mas gostei muito na mesma. Bruto, é assim mesmo.

    ResponderEliminar
  11. (poc, a sério, tens de parar de comentar como anónimo. sobretudo às 00:22.)

    ResponderEliminar