Poemas para engate (tiro e queda)

Em 1997 eu vendia maçarocas
Hoje empresto-te a minha
Para tentares fazer pipocas

Bem-vindo ao restaurante
O meu nome é Paulo Carriço
Vai preferir o caldo verde
Ou fica bem com o meu chouriço?

O meu tio chama-se António
E a minha tia Luísa
Mas quem vais conhecer hoje
É a minha Torre de Pisa

Gosto de vestir t-shirt
E às vezes camisa
Depois de levares com isto na cara
Vais parecer a Mona Lisa

Se quiseres o meu número
Vai às páginas amarelas
Vou sujar-te tanto esta noite
Como se estivesse a pintar em telas

Tenho um bicho dentro das calças
Que mais parece um peixe-espada
Mas se acabo de dizer esta merda
Vou levar uma chapada

10 comentários:

  1. Se mo recitasses ao ouvidinho, eras capaz de ter sorte ;)

    ResponderEliminar
  2. O penúltimo poema... Senhores, o penúltimo poema!

    ResponderEliminar
  3. Tiro e queda porque ou o tiro ou a queda são resultados possíveis...

    ResponderEliminar
  4. Adoro! Adoro! Adoro! Quem não se engatar com estes, é porque é mesmo caso perdidinho!

    ResponderEliminar
  5. Em poesia sou heroi
    E no mastro não tenho pelo
    Mesmo que tenhas um doi-doi
    Não hesitarei em metê-lo

    ResponderEliminar
  6. Grande poeta é o povo!!!

    ResponderEliminar
  7. Sim, tiro e queda!
    Dava-lhe um tiro tão certeiro que cairia rendondo no chão!

    ResponderEliminar
  8. És o último dos grandes poetas.

    homem sem blogue
    homemsemblogue.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  9. Ah... poeta. aposto que não levas chapada nenhuma.

    ResponderEliminar