E agora POC, estás a caminho de onde?

Quando estás à espera de embarcar, avisam em Português e Inglês para as pessoas não se juntarem na porta porque vai ser feita chamada por fila/zona de assento no avião, e todos ignoram e ficam em pé a fazer fila. É lindo. É nestas alturas em que penso que, por estar sentado, sou um génio. 

Entretanto, alguém adivinha o destino? 


E então, vamos reabilitar isto?

A ) Agora é tarde. Já estamos todos a seguir o blogue da Katia Aveiro. Não precisamos de ti para nada.

B) Já deixei de vir cá há muito tempo.

C) Se voltares e fizeres a rubrica "Hoje deu-me para isto", tudo bem, ainda penso em dar-te uma oportunidade.

D) O teu pseudo blogue está acabado. Nunca percebi como é que tens um milhão de leitores por dia, mesmo quando nada escreves. Não tens gracinha nenhuma. Ainda por cima és lampião.

E) Volta, por favor. Tenho dúvidas sentimentais e gostava que as esclarecesses. 

F) Comprar alface, tomate e cogumelos (tenho que ir às compras mais logo).

G) Todas as anteriores.

H) Todas as anteriores excepto a G).

I) E se voltasses a escrever sobre as viagens? Fazias melhor figura, é que só estás aqui a encher chouriços.

Escrevo ou não sobre a TAP?

Desta vez são os motoristas dos aviões.

Tenho amigos na TAP. E defendem muito estas greves e tal. Dá-me a sensação que quem lá vai parar é alvo de lavagem cerebral. Portanto custa-me escrever. Mas estou tentado a achincalhar estes pseudo-profissionais aéreos. 

Mas preciso de uns minutos. Estou a fazer greve porque exijo à empresa onde trabalho que me dê 20% do seu valor. E entretanto vou dizer aos meus pais que nunca mais lá vou jantar a casa enquanto não me doarem 20% dos seus rendimentos mensais. 

#ridículos4ever


Inquérito científico: as mulheres sabem ou não ler mapas e distinguir a direita da esquerda?

A Leonor é uma mulher prática e gosta de gatos, design e do Filipe (pois...). Mas como quase todas as mulheres, tem dificuldades em ler um mapa e em distinguir a direita da esquerda.
Entrevistámos a Leonor em Dublin:


Olá Leonor, como te chamas? Pois. Mas diz-nos, o que fazes em Dublin?
- Tu é que és o POC, do Simão Escuta? És mais atraente ao vivo. Bom, eu vim a Dublin porque estou a participar numa campanha contra homens que atiram moedas abaixo de 50 cêntimos para o lixo, só porque não estão para andar com coisas nos bolsos.

O que estás a achar da cidade?
- Uma bela merda. Mas eles aqui têm o restaurante Subway, e em Lisboa não temos.

Ouvimos dizer que tens dificuldades em interpretar mapas e distinguir a direita da esquerda. A questão que colocamos é: completaste o ensino primário?
- Sim, e eu as minhas amigas. Mas muitas de nós padecem da mesma maleita. Quando pensamos num mapa, começamos logo a imaginar tudo em 3 dimensões, o que dificulta. Vocês homens, por serem mais básicos, conseguem visualizar o mapa nas 2 dimensões e orientam-se melhor. Nós começamos logo a imaginar as ruas, que lojas existem lá, as fachadas, etc.. 

E a respeito da direita e da esquerda? Porque é que quando estão a conduzir e alguém vos diz "vira à direita", vocês entram em pânico?
- A direita e a esquerda são coisas que não existem, que não podemos ver. Como é que se ensina a direita e a esquerda na escola? Isto não é fácil. Daí a confusão. Temos que pensar com que mão escrevemos: temos duas mãos, uma delas é a direita. A outra é a esquerda. Entendes?

Adeus Leonor. As melhoras e obrigado.
- Obrigado eu. O Trinity College fica para esta direita ou para aquela?

Até na net o Sporting de Lisboa fica atrás do Benfica (estudo mesmo oficial, só rir)


Não, não é invenção. A Metrifly dedica-se a estudar a performance das ligações de internet e chegou a esta conclusão (podem ver o artigo aqui, na Exame Informática):

No Estádio do Benfica a velocidade de download é quase o dobro da registada no Estádio do Sporting: 7,4 Mbps para águias contra 4,0 Mbps de leões, revela a Metrifly.

Destaco ainda o seguinte: Conclusão: Se fosse futebol, os benfiquistas estariam agora a festejar mais uma vitória sobre o arquirrival Sporting.


Palavra-chave: "mais uma vitória", ou seja, só mais uma naquilo que já é um hábito. Tão bom.


Tio Bruno (de Carvalho) já emitiu comunicado, mas a net do Alvalidl está lenta...

Descoberto o número máximo de masturbações por dia

Agora que já chamei a atenção do leitor, posso dizer que afinal vamos falar sobre verniz de gel. Não, vamos mesmo falar sobre masturbação, neste caso masculina.

É assim, eu nunca me masturbei. Aos 12 anos iniciei a minha vida sexual num bar de alterne. Na minha família existe esse hábito: celebramos a maioridade assim (no caso com 2 gémeas suecas filhas de pais diferentes). Desde esse dia que, todas as noites, pago para ter sexo. 
- "Ah, ó POC, não inventes, até acreditei na história do ritual familiar de iniciação, mas como é que desde aí que tens dinheiro para fazeres isso todos os dias?"
Fácil, caro leitor. Publicidade aqui no tasco.

Mas vamos seguir em frente. Encontrei isto no 9gag:


Pesquisei e tenho dúvidas que seja real, mas isso é irrelevante, porque a notícia é boa.
Supostamente um rapaz brasileiro caiu para o lado depois de se masturbar 42 vezes seguidas. 

A questão que coloco é: como é que se soube que foram 42? Foi um teste científico? Seja como for, está descoberto o limite máximo diário de segurança.

O Simão Escuta, em mais uma rubrica de Serviço Público, entende que a Dose Recomendada Diária não deve ser inferior a 23 mas também não deve exceder as 24 masturbações.

Histórias bonitas (e seus emails associados)

Hoje deparei-me com uma notícia sobre um bebé elefante que encontrou a sua mãe 3 anos depois. Foi muito linda a história. E fez-me lembrar uma outra, que escrevi aqui em 2012:


Em 1986, Peter Davies estava de férias no Quénia depois de se graduar na Northwestern University.
Durante uma caminhada, cruzou-se com um jovem elefante que estava com uma pata levantada. O elefante parecia muito stressado, então Peter aproximou-se muito cuidadosamente. Pôs-se de joelhos, examinou a pata do elefante e encontrou um grande pedaço de madeira enfiado. 
O mais cuidadosa e gentilmente possível, e com o auxílio de uma faca, Peter removeu o pedaço de madeira e o elefante cuidadosamente colocou a pata no chão.

O elefante virou-se para encarar o homem com grande curiosidade no seu rosto e encarou-o por tensos e longos momentos. Peter ficou congelado pensando que seria pisado pelo animal. Depois de um certo tempo o elefante bramiu bem alto com sua tromba, virou-se e foi-se embora. Peter nunca esqueceu o elefante e tudo o que aconteceu naquele dia.

20 anos depois, Peter passeava pelo Zoológico de Chicago com o seu filho adolescente. Quando se aproximaram da jaula dos elefantes, uma das criaturas virou-se e caminhou para um local próximo onde Peter e o seu filho Cameron estavam. 

O grande elefante encarou Peter e levantou a pata do chão e baixou-a, repetiu, varias vezes emitindo sons altos enquanto encarava o homem. Relembrando o encontro em 1986, Peter ficou a pensar se aquele era o mesmo elefante. Reuniu toda sua coragem, escalou a grade e entrou na jaula. 

Foi direito até ao elefante e encarou-o. O elefante emitiu outro som alto, enrolou a sua tromba na perna de Peter e mandou-o contra a parede, matando-o. 
Provavelmente não era o mesmo elefante e ele fodeu-se...


Este bonito texto é dedicado a todos aqueles que mandam aquelas histórias merdosas e cheias de finais felizes em vez de PowerPoints com gajas BOAS.

Piada Farsola #73 - Uma questão de religião

Uma menina de cinco anos perguntou à Mãe:
- Mãe! O que é isto que eu tenho entre as pernas?
A Mãe:
- Isso é uma capelinha sagrada onde nada nem ninguém pode entrar!

A menina cresceu entretanto, mas sempre num ambiente profundamente religioso e com pouco contacto com outras ideias.
Já com 17 anos, a miúda começou a namorar e, um dia o, namorado quis iniciar a vida sexual, querendo fazer sexo à séria. A resposta dela foi:
- Não! Isto é um local sagrado e não podes lá meter nada!

Após alguma resistência o namorado teve então a ideia de recorrer também à religião e lembrou-se do seguinte:
- Deixa-me meter o meu santinho dentro da tua capelinha!
E ela assim lá acabou por ceder. E gostou. Tanto, que até questionou o namorado:
- Querido! Então e esses dois ficam fora? Porque é que não entram também?!
Ao que ele responde:
- Não, amor! Estes ficam à porta. São Testemunhas de Jeová. 

Escolha o leitor o título desta capa de revista


Sim, esta revista existe. E sim, esta é a última edição, verdadeira. Se pensam que sou o editor/tipo do design, estão enganados. Sei que a capa parece uma das minhas famosas montagens no Paint, mas realmente não vou ficar com os louros que não são meus.

Apesar de tudo é de agradecer não terem colocado os restantes elementos da banda. Pela amostra, seria coisa para me fazer vestir dois pares de truces com medo que me entrassem nalgum pesadelo.

Perguntaram-nos quais os 3 melhores jogadores jovens, nós respondemos (mais ou menos)

O Olhos na Bola lançou o desafio há bastante tempo, esteve a validar se aceitava a nossa resposta e acabou por publicar agora os resultados.
Deixo uma amostra do nosso texto:

A minha escolha recai sobre Hélio Miguéis (defesa do Cascais), Cadú Gomes (defesa do Águias da Musgueira) e Ricardo Pereira (avançado do Club Sintra Football). Todas estas trutas jogam na divisão distrital de Lisboa.
Hélio Miguéis, perto dos 30 anos, seria opção para Jorge Jesus reforçar a lateral-esquerda do Benfica. Hélio assegura capacidade de não fazer faltas ridículas como as do Eliseu.
Cadú Gomes, também ele quase trintão, afigura-se como grande alternativa a Roderick Miranda (Rio Ave). (...)

Podem ver aqui o artigo que conjuga as opiniões de alguns blogues (sem incluir o Gordo vai à Baliza, porque eles estão amuados) e acaba por eleger, como melhor jogador jovem, ...