Frase do dia (para cuidarem bem de uma mulher)

Não brinques nunca com o coração de uma mulher. Lembra-te que só tem um... Brinca antes com as mamas, tem duas.

"Onde é que queres ir almoçar?" // "Tanto faz..."

Não podemos continuar a banalizar este conceito. "Tanto faz" para aqui, "tanto faz" para ali. A vida não se coaduna com tamanha indecisão.
São inúmeros exemplos:

"Queres ir à sessão das 21 ou preferes a da meia-noite?" - Tanto faz.
"Queres ir comer italiano ou chinês?" - Tanto faz.
"Queres que te coma por trás, enquanto te puxo os cabelos e te chamo nomes... ou preferes salada de fruta?" - Tanto faz.

Já que queriam fazer alterações à Grafia Portuguesa, em vez de terem feito a pouca vergonha que fizeram, tinham alertado o povo para a generalização de expressões populares que em nada nos beneficiam.

E é desta forma que quero anunciar o verdadeiro significado de "tanto faz":



Vota Simão Escuta. Vota no Serviço Público.

À atenção da PSP

Às 18 horas e 13 minutos de hoje, uma loira (de raízes escuras), a conduzir um Smart branco de matrícula 98-FV-59 na Avenida Padre Cruz, tinha as unhas pintadas de cor-de-rosa, com 2 centímetros de comprimento e em bico. 
E também atirou uma beata pela janela. A porca. 

O Rei da praia

Primeiro Português a dar baile às entrevistas imbecis:


Aterragem na Madeira: OK, afinal aquilo das palmas...

Acabei de descobrir onde é que surgiu a tendência (vou chamar assim) de se aplaudir uma aterragem. 

"Foi no limite", palavras a sós com o chefe de cabine. Muito, muito vento. Muito. Até houve quem chorasse. 
O comandante teve direito a 2 (!) salvas de palmas.

Bem-vindos aos ventos da Madeira! 


TAP (Take Another Plane) ou a reportagem de onde fui alojado em Moscovo, durante a greve

Agora que já ninguém fala no assunto, falo eu.

Não me vou alongar muito nos motivos para existirem ou não greves. Por um lado, no privado, dizem “haviam de ser privados para verem o que era trabalhar… não existiam cá greves!”. No público dizem “mas temos direitos e devemos lutar por eles”. Regra geral, estão ambos certos e o chamado meio termo é realmente a solução para quase tudo. Disse regra geral, porque mesmo com casos absolutamente contrários (e serão muitos), um funcionário público, da TAP e etc. tem uma vida santa a comparar com a maioria.

Sou a favor dos direitos dos trabalhadores. Patrões que nos tratam sem respeito (ordenado, ambiente no trabalho, prepotência, etc.) só merecem é ficar trancados com o Paco Bandeira, o Pinto da Costa e a Katia Aveiro. 24 horas de um arraial de porrada, bufas e azeite dão cabo de qualquer um.
Mas também sou a favor do bom senso. Por isso disse 24 horas em vez de 25.

Bom, agora que estamos todos de acordo (…), vou contar-vos como é que TAP tratou bastantes passageiros que não tiveram avião.

Com regresso às 0500, a TAP, já sabendo há muito tempo que não ia existir voo, não contactou nenhum passageiro. Sabendo que o check-in ia encerrar bem antes da hora do voo, apenas se dignaram a falar com os passageiros à hora da descolagem que não existiu. Ou seja, obrigaram toda a gente a ficar horas à espera, durante a noite. Quando já nada havia para esperar.
Uma russa, que falava bem Inglês, disse que viria alguém da TAP falar connosco. Afinal já não havia ninguém e seria mesmo ela. Às 0505 ela saiu de trás do balcão e quem quis acompanhou-a, percebendo que íamos para um autocarro e que teríamos voo às 1600 (que acabou por ser mais tarde).
Chegados ao autocarro ela foi embora e entra um russo, a falar russo, a dizer cenas. Nisto, os passageiros russos apercebem-se “ui, o Senhor POC está a ficar arreliado, vamos traduzir o que o urso está a dizer”. Então íamos para um hotel (não muito perto) e teríamos que estar às 1200 na rua para regressarmos ao aeroporto.

Chegar ao hotel (oi?), contemplar a maravilha, dormir e acordar para ir ao pequeno-almoço (oi?) deu direito a 4 horas e pickles.

E é aqui que fica giro. Um tipo paga um voo da grande companhia área de bandeira, espera ser bem tratado, certo malta? Errado. Sei que os passageiros do voo de 1 ou 2 dias antes ficaram hospedados com qualidade. Mas nós? Nós ficamos aqui:







1 casa-de-banho por cada 4 quartos. E como é que é a casa-de-banho? Calma… são metade mais metade. Numa metade podem fazer um xixizinho. Na outra metade podem lavar as mãos e tomar banho. Podem é ter o azar de irem fazer o número 1 ou número 2 e depois ficarem à espera que alguém termine o seu banho revigorante.

Se tivesse pago uma low cost compreendia. É a vidinha. Mas na TAP? Inadmissível. Parecia que estava a dormir no Marine Keskus (na Estónia, fica para outras núpcias a reportagem).

Parte do meu coração está na TAP, mas eu, como cliente, não tenho nada que ver com greves, problemas internos, etc.. Eu pago e tenho de ser servido e bem servido, tal como contratei. Não quero saber qual dos 10 sindicatos (eles até devem ter um sindicato dos sindicatos) está a protestar, não quero (até quero) saber quem tem razão, não quero saber se são os motoristas dos aviões ou os assistentes de bordo que querem melhores condições. O que eu quero é receber pelo que paguei.
Quando fico sem net em casa, não quero saber se foi um tipo que adormeceu em cima da tecla “Ligar/Desligar” lá na empresa dele. Não quero saber se foi uma avaria. Não quero saber se alguém está em greve porque é mal pago e sabotou o serviço. Eu pago, quero o meu serviço. A empresa que faça o que entender, mas que garanta que o cliente não seja prejudicado ou, a sê-lo, que seja da menor forma possível.

E pronto, é por isto que a imagem da TAP fica afectada. Para sempre. E muita coisa vai ter de mudar.
Para já, TAP é sinónimo de Take Another Plane. Só em último caso voltarei a viajar com eles. Prefiro pagar mais um pouco e garantir os meus voos. Quem é que me diz que em Abril, quando for para a América do Sul (comprando com muita antecedência), não estarão novamente em greve? …


#paunocudaTAP
#privatizaçãojá

WC masculino: toda a verdade

Este é o artigo que todos esperavam. O artigo que vem colocar o dedo na ferida e no próprio do pénis. Vamos contar toda a verdade. O Autor vai, inclusivamente, deixar que lhe botem a boca no trombone. Esperem, estou a misturar artigos. Esta última parte é para um estudo sobre música clássica. 
Seja como for, estou disposto a quebrar o segredo que os homens guardam há centenas de anos. 

"Ai o meu homem não, ele é um romântico, trabalha numa grande empresa, veste-se de fato e tudo. Estava capaz de apostar um felácio em como ele não sai da casa-de-banho sem lavar as mãos."
OK cara leitora. Chegou a hora de cumprir a promessa.

Pois é. Metade dos homens são ordinários. E não é no bom sentido, que para isso estou cá eu.
O estudo científico que fiz mostra claramente que não é pelo estatuto social que as mãos são lavadas após a mais básica das necessidades fisiológicas. Às vezes pelo contrário. 
Ai... o que eu "gosto" de ver um tipo armado em pintas, todo bem vestido, claramente numa saída para espalhar magia perante alguém, ir fazer um xixizinho, olhar-se ao espelho e sair sem lavar as mãos... Depois está a namorada/amante/pretendente à espera dele, de brilho nos olhos por ter um pintas tão lindo... Quase impagável. 

Mas isto sou eu, que às vezes, quando vou fazer o meu xixizinho da ordem e me lembro que já apertei a mão a uns quantos tipos durante o dia, até lavo as mãos antes (e depois) de segurar o menir. Ele merece. É um bem precioso. 
É que eles podem ser os porcos, mas eu tenho o diamante.



Este artigo foi escrito por mim no Desblogue d'Elite. Visitem e surpreendam-se com artigos de 12 diferentes bloggers. Um projecto giro, para o qual fui convidado e onde não acrescento nada de jeito. Mas é o País que temos.

48 horas na ilha da Madeira: o Guia feito por vocês (projecto a arrancar)

Imaginem que vão à Madeira ver a obra do Alberto João. Agora imaginem que querem ver o essencial mas só têm 48 horas para isso e que, na verdade o Alberto João, não é chamado para o caso. Agora imaginem que dão primazia à beleza natural. Agora imaginem que... Pronto, não vale a pena imaginar mais nada. 

O que peço é que me ajudem a fazer um guia para 48 horas muito bem passadas na Madeira. O objectivo é testar e, se resultar bem, fazermos pequenos guias úteis para todos os leitores, abrangendo vários pontos/zonas/cidades Portuguesas.

Vamos conhecer melhor o nosso País.

Participem!

Festejo do 34 como se quer: benfiquista e sportinguista juntos


Este artefacto foi encontrado minutos após a confirmação do campeonato, antes da ida para o Marquês de Pombal. Não resisti a comemorar junto ao leão, ambos a beijarmos o símbolo do campeão. 


Hábitos: o Benfiquista e o Sportinguista de Lisboa

Disputar títulos até ao fim tem destas coisas. Temos que nos preparar para o pior, mas gostamos de estar prevenidos para o melhor.
No grupo, temos o hábito de fazer t-shirts comemorativas (e com humor) pelos títulos alcançados. Vamos ao futebol há muitos anos, vamos a alguns jogos fora, vamos às finais, vamos ao estrangeiro. Já correu bem, já correu mal. Faz parte.

Isto para vos relatar a nossa conversa de hoje:

- Como é, fazemos t-shirt? Desta vez fazíamos qualquer coisa com colinho e com o Lotopegui, o Lopes.
   - Eu não quero.
- Então?
  - Tenho um roupeiro pequeno. Não vou estar a fazer t-shirts de cada vez que ganhamos alguma coisa. Se fosse do Sporting de Lisboa justificava-se.

Hoje deu-me para isto #1 (todos a pensar no mesmo!)

Deu-me para vos mostrar um pouco de mim. Da minha intimidade. Da minha cozinha.
Lista de compras? Mensagens de amigos e família? Frases mariquinhas? Não. Apenas isto:


#todosapensarnomesmo
#34


Sim, é mesmo a minha cozinha:

Enterrar mulheres para as comer mais tarde

Quando a tmn plagiou o Simão Escuta aqui há uns anos (para quem não acredita, clicar aqui), houve alguma revolta nas redes sociais. Ou só aqui. Mas eu puxei do cigarro, servi-me de whisky e relaxei... Apenas pensei "sou mesmo bom, mas vou continuar pobre. Sacanas. De qualquer forma, importa é o Benfica ganhar". 

Mas vamos lá ver, o que me está mesmo a comunicar com o sistema nervoso é estar agora a ser plagiado por ursos. Mas ursos mesmo. 
Não é que na Sibéria, um urso atacou uma mulher, deixou-a atordoada e enterrou-a para a comer mais tarde? Devia estar com ela nos dentes e viu outro filet mignon a passar...

Resumindo: Escândalo. Apelo a todos os ursos deste e de outros Países que me respeitem. Se querem plagiar, que enviem 24% das mulheres, em jeito de royalties


Ah, a mulher safou-se.

Pensamentos soltos #3 - quando és muita boa

Quando disseres ou achares que tens não sei quantos homens atrás de ti, lembra-te que são os descontos que fazem aumentar a procura.

Pensamentos soltos #2 - Sensação de Impotência

Se algum dia te sentires impotente, lembra-te que consegues fechar um restaurante se colocares um dos teus pêlos púbicos no prato e chamares a ASAE. 

Pensamentos soltos #1 - vampiros

Se uma gota de sémen contém mais vida que uma gota de sangue, porque razão as vampiras não chupam pilas?

Fica a questão.

Benfica em directo Na greve da TAP - parte 3

Após ter sugerido que levávamos o avião de volta, como que por milagre aparece a tripulação (muito atrasada) a passar por nós. O público presente (que é o cliente) aplaude ruidosamente e com alegria, ao som de um intenso "Benfica!, Benfica!, Benfica!" que ecoou ao mesmo tempo. 

Era eu. Às vezes sou doente. Ainda bem. 

Em directo da greve da TAP - parte 2

Avião há. Tripulação não há certeza, paradeiro incerto. 
Temos aqui um Coronel da Força Aérea e eu comprei um bivaque. Eu e ele levamos o avião se for necessário. 


Em directo da greve da TAP

Continuo retido na Rússia, no aeroporto de Moscovo. 
Tenho tanto para vos contar sobre a TAP...mas vamos deixar isso para quando tiver um teclado à frente. 

Resumo:

Garantiram um voo TAP às 16:00 de cá. Às 15:30 estávamos em fila, ao lado da pista, para embarcar. Depois às 15:50 os funcionários fecharam as portas, não disseram nada e foram embora. Supostamente não se sabe da tripulação. 

É lindo. 

2 últimas pistas da rubrica "Onde é que andas, POC?"

Bebi um batido de M&M's. Por esse motivo podia ser feliz aqui:




Mais uma pista para a rubrica "Onde é que andas, POC?"

No aeroporto em que aterrei, parte dos passageiros bateram palmas assim que o avião tocou o chão em segurança. 

Nota mental: em Lisboa, lembrar de fazer o mesmo quando o metropolitano chegar em segurança à minha estação de destino. 

4.9 milhões de visualizações só em Abril - Obrigado

Os visitantes começam a entender que a falta de civismo não tem lugar neste espaço.  Felizmente, no último mês, rejeitámos menos comentários e é notório que os leitores têm gosto em participar, o que só nos motiva a continuar na nossa luta de oferecer diariamente conteúdos/temas novos aos leitores e a manter o Simão Escuta actualizado.